segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020


À porta cá de casa,  para nunca me esquecer da vontade de voltar.
🍀


quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020





Alguém se lembrou de mandar o pomar até cá a casa e hoje colhi uma tangerina para a sobremesa ❤️
(o ramo partiu-se sem querer, o que faz com que o gesto de me o oferecer seja mesmo especial)


quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020



Minimizar a minha pegada sempre foi uma preocupação, ao ponto de em alguns assuntos até causar uma ansiedade que choca com a descontração de outros. Hoje posso ter comportamentos que podem estar à quem do que tenho conhecimento e possibilidade de fazer no meu dia a dia em matéria de sustentabilidade, no entanto, sei que no global da minha vida e por comparação, não estou mal. A comparação não serve para desculpar o que ainda não faço com assertividade mas lembrar que mais ou menos consciente dos impactos sempre tenho tido uma postura cuidada com o planeta. Exemplo disso, pode ser o consumo de carne, não sou vegetariana, nas sempre consumi tão pouca carne, que provavelmente até hoje comi menos que pessoas que entretanto mudaram o regime alimentar de forma radical. Devem-se contar pelos dedos de uma mão as vezes que cozinhei carne no meu fogão (em 20 anos de autonomia para o fazer). Contudo ainda cedo a comer quando me é colocada como única alternativa na refeição para não ser desagradável... mas esta cedência já teve melhores dias, ando na sensibilização que isto "de comer carne, vai acabar".

Garrafas de chá no frigorífico, que faço de forma concentrada para depois diluir na água que aqueço para o beber sempre que me apetece. Como aqueço uma porção pequena de água é mais rápido e poupo tempo na confecção.



segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020




Nunca se vai saber se o problema que me levou à sala de operações foi uma consequência de um momento ou o somatório de vários momentos ao longo da minha existência. Sei que no momento certo fui salva pela ciência e pela acessibilidade que tive aos meios que estavam disponíveis para o meu caso. Sei que fui salva por um conjunto de seres com quem me cruzei, seres abençoados por Deus e cujas mãos e inteligência esteve e está ao serviço do próximo neste sentido único de perpetuar a existência e permitir que qualquer um continue a ser tocado pelo amor inconsciente e consciente de todos os que nos fazem bem. À medida que vou dando passos em frente sobrepõe-se a sensação de milagre com que fui bafejada e rodopia-me a alma neste momento que se torna a origem de tudo o que ainda tenho de bonito e mágico para viver.



segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020




03-02-1953
seriam hoje 67 anos
mas são 9 anos de uma saudade crescente



terça-feira, 28 de janeiro de 2020




Há pouco batia o sol na janela do quarto e levantei-me deste repouso temporário para o apreciar a tocar-me directamente no rosto. No telemóvel coloquei uma musica a fazer de banda sonora a estar oferenda divina e deixei-me embalar e balançar movida por estas duas energias, a do sol e a da musica. Ainda assim o peito respirava descompassado da serenidade que este momento reclamava. Intuitivamente iniciei um exercício de respiração apreendido noutros tempos e permaneci de olhos fechados até ao inicio da musica seguinte. Quando voltei a abrir os olhos vi bolas de sabão a voarem junto da minha janela. Vinham de onde não conseguia alcançar a sua origem e apesar da curiosidade resolvi permanecer sem saber e ficar somente a vê-las passarem ao som de mais um kirtan. Surgiam espaçadamente ao sabor do vento, refletindo brilhos do mesmo que me continuava a aquecer o rosto e alma com este enquadramento.
As bolas de sabão têm tanto de bonitas como de efêmeras, gosto tanto delas que tenho em casa um daqueles frasquinhos para as fazer sempre que me apetece, mas estas estavam a ser-me oferecidas, o que tornou a sua leveza e o seu fluir ainda mais mágicos, de uma magia semelhante a que acontece quando podemos ser transparentes e frágeis, como bolas de sabão.


terça-feira, 21 de janeiro de 2020




deste tempo
este meu lado já não é que era, e quando assim é, quero que seja melhor.


segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

domingo, 5 de janeiro de 2020




Este é o tecto do quarto que tem o quarto que nunca tive. Hoje dormi aqui, depois de passar duas noites e dois dias  no hospital. Do braço já retirei as pulseiras que trouxe e me identificavam e enviei mensagem ao médico a agradecer o que fez por mim. O que ele começou por fazer por mim,  e entretanto a toda uma equipa que se mobilizou em torno na minha operação. Foram muitos, alguns nem os vi, outros mal me lembro, mas todos contribuíram para me salvar a vida. Quando por momentos não sinto dores nem o incómodos que por um tempo me vão acompanhar penso na brutalidade de tudo isto. Como um pessoa é resgatada pela ciência. Já temi tudo, agora vivo um momento de cada vez até à normalidade, para a qual estou a gerir energias para reconquistar.


segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

domingo, 29 de dezembro de 2019



Meanwhile... 



Dedico-me a pequenos passos ao desenho. Tentar reencontrar nele a paz e abstração de outros tempos. Um espécie de cura dos sentimentos. Num final de ano como que imune a potencialidade de mudanças porque a preocupação, a incógnita transita de um ano para o outro. Eu sempre soube que tudo podia falhar menos a saúde. Este impasse, este estado, faz-me sentir mais perdida, na soma de tudo do que se passou este ano.
Depois de pouco mais de 2 anos a viver semanalmente fora da minha casa de conforto, com o coração a enraizar no constante improviso, resultou de mim alguém que me custa a reconhecer. Os últimos 7 meses de foram de adaptação ao novo desafio profissional, de regressos sucessivos a mim. Um vai e vem a dar voltas para aquela que saiu um dia. A que saiu nunca será a que voltou. Não a posso encontrar e os últimos 15 dias somaram à busca espiritual a derradeira noção do eu físico, da matéria de que sou feita. Uma queda parece ter exteriorizado que para além da mente também o corpo se pode dividir e parte mim passou a ter uma percepção diferente do calor e frio, tornando-se menos sensível. Este foi o rastilho para me colocar neste patamar de mil e um cuidados com os meus movimentos. A desejar profundamente a rotina, mesmo que por vezes enfadonha, mas na que acreditava ser livre para... Em poucos dias olhar para os outros, mesmo sem ser olhos nos olhos e não reconhecer as pessoas na plenitude das suas vidas, como conseguem ser distantes do essencial. Como eu também consigo ser assim. Como ainda não sei ser melhor....


sexta-feira, 27 de dezembro de 2019




Sinto falta do entusiasmo com que vinha aqui partilhar algo de mim e sobretudo para mim, para memória futura. Memórias, mais ou menos explícitas, que me sabia bem gravar neste relevo. Registar que em algum momento passei, diambulei ou divaguei por ali. Dores que fazem parte do caminho ou meras trivialidades que em algum ponto me fazem sentido.

...antes tantos dias, cheios de razões para celebrar mas com uma falta de motivação que não soube ultrapassar, hoje... hoje quero redescobrir-me nesses motivos e sair desta preocupação que me está a ocupar os pensamentos. Não quero concretizar, não quero especular mas conto os dias em horas ou pedaços indefinidos entre a ocupação que me é permitida enquanto espero para renascer  desta fase e tudo voltar à maravilhosa normalidade.

No-entretanto-agradecer-a-todos-os-que-facilitam-ajudam-e-aturam-a-minha-fragilidade-camuflada-de-aparente-mau-feito, ao meu Pai, que tem de gerir as suas inseguranças e fragilidades de pai, ao Gonçalo, por fazer acontecer em jeito de just another day in the office e aos amigos e outros pelas palavras aqui é ali de reforço mas sobretudo por aparecerem. 


sábado, 2 de novembro de 2019

esta foto também sou eu, não pela mão que segura o pássaro mas nas asas que lhe vejo. podia falar do que essas asas são capazes mas ainda não cheguei a esse capitulo...




Sábado de manhã...




feriado de noite...


fui ao pão por Deus à Avó Maria :)


sexta-feira, 1 de novembro de 2019



feriado de tarde...

Quando ao autor explica o que lhe vai dentro quando lê uma das suas autoras eleitas e eu fico confusa porque às tantas  parece que ele descreve aquilo que eu própria sinto quando o leio... peças do puzzle de que sou feita.




feriado de manhã...



sábado, 26 de outubro de 2019



Sábado de manhã...



Dar à mente o que o corpo precisa, cor....
Mimos de sábado a pensar em todos os dias da semana. O foco naquele dia, o de hoje, que o amanhã nem depressa nem devagar mas com vagar. 


domingo, 20 de outubro de 2019




A tentar eternizar mais um pouco o bronze até ao próximo verão, dentro e fora. O espelho de água convidava a um mergulho desses que aprendi a desfrutar nas águas mais frias, aquele momento que à sua maneira também é capaz de despertar as células mais recônditas.




Sábado de manhã ... 




sábado, 28 de setembro de 2019



Sábado de manhã ... 


Sempre ali a oferecer conforto, mas por agora ainda me sabe bem o sol do calção e da sandália... Mas pode chover de noite...


domingo, 22 de setembro de 2019



Sábado de manhã ...
A magicar ideias.



Sábado de noite....
A concretizar ideias de farnéis para a semana.

quinta-feira, 12 de setembro de 2019



Trabalhos manuais

A estrutura em ferro estava há uns anos no sótão à espera de inspiração e ela chegou numa destas tardes vagarosas de tempo (ou foi o tempo inspirado que a estendeu, mistérios da nossa percepção)
Cortei, colei, cosi...



...tantas quantas as vezes que carregamos nos interruptores são aquelas em que se faz luz e outras tantas que seguimos às escuras....