domingo, 19 de junho de 2016



Voltar à Arrábida é voltar para descobrir mais. Reiterar as razões do primeiro encanto que me lançou. Conquistou-me na sua paleta de verdes e azuis e na proximidade com a divina beleza do mar. Converte-me sempre numa privilegiada, mesmo que resmungona, durante um trilho apertado pelos ramos e permanentes arranhões que senti nos braços e pernas.
Mas anteriormente, privilegiada, pelo mergulho na agua transparente da Praia Alpertuche. A praia é do tamanho ideal para dois mas estavam mais. Depois de interiorizar essa proximidade e de escolhermos um lugar com um perímetro razoável de privacidade, sentei-me numa rocha de costas para o sol quente e com os pés mergulhados na água fria. O contraste não ajudava à decisão de avançar para mar, por isso demorei-me nesses repetidos gestos de adaptação do corpo à nova temperatura. Mergulhei uma e outra vez e voltei ao porto seguro da rocha que me permitia apreciar desde a limpidez da água à magia das suas cores que entre a cintilante ondulação. Apreciar como cada um, no seu perímetro, vivia a mesma tranquilidade, movendo-se vagarosamente parecendo retardar a velocidade de rotação da terra.

Saímos dali igualmente em câmera-lenta a tempo de um trilho que nos levaria para a Praia dos Coelhos. Foram oitocentos metros de arranhões por um disfarçado trilho que nos conduziu a pontos de reencontro com o mar e com vistas sobre as praias do Portinho da Arrábida e a Praia da Anicha. Chegámos quando os últimos se estavam a ir embora. Afaguei os arranhões na brisa quente enquanto vi o céu ficar rosa. Olhei-o disfarçando o quanto gosto de o ver assim. Regressamos por um caminho mais directo ao ponto de partida. Ao eterno ponto que marca esta nossa aventura, a ansiedade do começo e a sensação de realização e satisfação do regresso.







fotos do g.


3 comentários:

Cláudia M disse...

Fotos lindas, Ana! E deixaram em mim, uma saudade imensa. O que eu adoro essas águas cristalinas e essas paisagens tão serenas. Das praias que referiste, conheço apenas a dos Coelhos. Fui até lá desde a praia dos Galapinhos, num final de tarde em que a maré estava baixa e fui de uma praia à outra. São ambas pequeninas, mas são muito lindas. Toda a zona é maravilhosa, desde a serra ao mar. Não é ? ;)


Beijinhos :)

Ana Fernandes disse...

Sabia que se visses o post ias com certeza gostar. Ainda bem que te dei a conhecer mais um pedacinho da serra e quem sabe dar umas ideias para quando vieres a Portugal.
Sou (também) feliz por ter quem me a dê a conhecer, quer de outras perspectivas fotográficas, quer guiando-me ou descobrindo comigo os seus (en)cantos. Tem sido uma descoberta muito boa, recarregando bem a alma de energias boas para a semana de trabalho.
Ou energia boa como essa que perdura em ti, que te vai dando alento e diluindo as saudades em memórias felizes.

Beijinho*

Cláudia M disse...

Gostei bastante, sim ;)

Ohhh muito obrigada pelas palavras tão queridas e carinhosas. Palavras, carinho, como este, ajuda e faz parte desse alento, querida Ana. :)


Obrigada de coração, outro beijinho grande para ti.