segunda-feira, 6 de julho de 2015



fim de semana parte II

depois de chegarmos de Setúbal, despedi-me da SV com um até já.
4 horas de sono foi tudo aquilo de que dispusemos para iniciar uma nova etapa. Às 6h30  já nos cumprimentavamos com um Bom dia! A nós juntou-se outro colega de equipa AC e seguimos rumo, desta feita para Mação. Há um ano tinha participado no primeiro evento do Trail das Zagaias e resolvi desafiar a SV a repetir o "passeio" comigo. Mais uma experiência daquelas a juntar às agradáveis surpresas que não me importo de repetir. A introdução da prova do dia anterior fez com que tivéssemos decidido trocar o trail grande pelo pequeno. Sendo que não estávamos muito certas desta decisão, conspirávamos prós e contras das hipóteses em aberto.
À semelhança da Lousã ao entrar em Mação senti a agradável sensação de já conhecer alguns cantos à casa, pelo menos aqueles que nos conduzem ao ponto de encontro dos atletas e do melhor sitio para estacionar o carro. Fomos levantar os dorsais e conspirar mais um pouco na prova que queríamos fazer. Na verdade queríamos os 30km mas a incerteza do calor e algum cansaço acumulado do dia anterior fazia-nos pensar que o melhor seriam os 17km. No entanto a SV esperava que eu dissesse as palavras mágicas: Bora lá à grande mas eu contive-me muito e joguei pelo seguro, pelos 17km que garantiam uma chegada menos massacrada pelo tempo de prova. O ambiente era caseiro, os atletas poucos e algumas caras já conhecidas. Partimos a subir pela estrada de alcatrão e entretanto virámos para dentro das tão desejadas serras. Como já é nosso apanágio aproveitamos para falar desta vida e do que nos move ou moveu. Bem marcado o percurso permitiu-nos seguir em segurança no trajecto que era suposto. Houve um engano, tudo porque achamos por bem saltar um obstáculo, que na verdade estava ali para nos impedir de continuar em frente, mais obstáculo menos obstáculo, já ninguém liga, o espírito é superar...
O calor foi bem menos do que esperavamos, o que para mim foi óptimo porque me permite apreciar bem melhor o tempo que por ali ando, mesmo que agora um pouco a toque de caixa da SV, que quer ir sempre a rolar e eu a querer levantar os olhos do chão para aquilo que ali me leva, a paisagem. Não sei fazer as duas coisas ao mesmo tempo depressa e bem. Percursos de vegetação diversa, entre pinhais e eucaliptais, estradões e desvios para singletracks e a passagem mais esperada, a da ribeira. Repeti a prova mas não a maior parte dos caminhos e desta foi a vez da ribeira do Quadouro, mais uma daquelas onde creio estarem elfos escondidos para observar o nosso encantamento em molhar os pés e caminhar dentro de água. Os elfos não combinam com o campo de girassóis mas este combina bem com tudo o que ali queremos levar na memória. A passagem por uma aldeia à hora da saída da missa deu direito a audiência e saudações bem vindas de almas cujos os olhos sorriem de ver gente doida (nós...).
Na aproximação à meta os meus pés começaram a ressentir-se e dei a opção pela pequena distância por ganha. Chegamos a tempo de termos energia para nos rirmos e seguirmos descontraídas para o banho que antecedia o já esperado almoço.
O almoço, no sitio do costume, superou as expectativas do costume e igualou aquilo a que uma vez já me tinha acostumado. A simpatia de quem serve e a qualidade do que serve. Entradas, sopa, prato e sobremesa bem bons e a descontraída entrega de prémios a dar a festa por terminada. Palmas para os outros e para nós que nos estavamos a divertir desde que ali chegámos.
Na hora de regressar a casa ainda mergulhamos mais um pouco na paisagem, de uma placa que nos havia de desviar para o caminho certo de um dia super bem passado!


Foi bom o feedback positivo da SV, nada como partilhar um bom dia com uma boa amiga, com um nível de loucura semelhante ao nosso ;)
Parece que ficamos com o 4º e 5º lugar e se desta não trouxe nem chouriços nem cacareco, trouxe um prémio com que não contava na passagem pela ribeira. Um banho ganho a custo de uma escorregadela que me fez cair de frente na agua. O susto de segundos converteu-se em risada e roupa fresca no regresso ao estradão.
Das marcas boas que ficam até as das silvas nas pernas me parecem bem enquadradas...

Trail das Zagaias
Tempo 02:34:08
Classific:ção geral: 23ª/31 (se fosse ha uns anos o que eu acharia graça a esta classificação...)
Classificação classe feminina:
Classificação de divertimento: 5*


Sem comentários: