sexta-feira, 25 de outubro de 2013





fui à capital, e tendo a manhã livre para o que me apetecesse... apeteceu-me andar à chuva(da), pelo menos entre a saída do metro e os destinos a que me propus. Optei por chegar cedo e tomar o pequeno-almoço por lá ou melhor por aqui. Arranjei um lugar privilegiado para me sentar com a calma de quem folheia uma revista (das que por lá estão disponíveis) enquanto saboreava, de forma alternada, o meu iogurte biológico com banana e coco secos, passas e framboesas e um scone com doce de morango. Folhear... uma colherada, folhear... uma trinca e por ai a fora a fazer render o tempo que tão bem me estava a saber. Ainda pensei ficar ali a manhã toda... mas não, levantei-me tranquilamente, porque só assim podia apreciar um diluvio que não tardaria a bater-me nas pernas. Dali e saltitando entre poças de água segui até à Pó dos Livros, onde fiz a bela da figura... "ah ia a passar e resolvi vir pessoalmente buscar um livro que reservei na pó-dos-livros-vintage há mais de três semanas e nunca mais fiz o pagamento e por acaso também já não me lembro do nome do livro" mas tinha a certeza da temática ou não fosse ela sempre a mesma... mistério resolvido segui underground até ao Rossio. Saindo do metro, apesar de entretida com aquele exercício de perícia que consiste em tentar-que-um-guarda-chuva-fraquinho-não-se-vire-a-contrário-com-a-força-do-vento, reparei que estava a fazer exactamente o mesmo percurso que há um mês e meio me levava ao encontro do companheiro de viagem, e enquanto caminhava revivia aqueles passos e sorria até que me dei conta que era melhor disfarçar... sob pena de ser considerada tonta... finalmente cheguei ao local onde tinha horários a cumprir e foi por aí que tirei as únicas fotos deste dia bem passado... 


1 comentário:

IsaMar disse...

e pela forma como conta, pareceu ser um dia fantástico, numa cidade também com recantos fantásticos.