quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013




working on: floresta mágica (cont.)



adaptação da canção "A árvore da montanha":
                     " A árvore da floresta mágica, a e i o u
                       A árvore da floresta mágica, a e i o u
                       Essa árvore tinha um tronco,
                       Ai, ai, ai que lindo tronco
                       O tronco, da árvore da floresta mágica
                       ...


terça-feira, 26 de fevereiro de 2013






Marina Abramovic Meet Ulay



‎"Nos anos 70, Marina Abramovic viveu uma intensa história de amor com Ulay. Durante 5 anos viveram num furgão realizando todo tipo de performances. Quando sentiram que a relação já não valia aos dois, decidiram percorrer a Grande Muralha da... China; cada um começou a caminhar de um lado, para se encontrarem no meio, dar um último grande abraço um no outro, e nunca mais se ver.

23 anos depois, em 2010, quando Marina já era uma artista consagrada, o MoMa de Nova Iorque dedicou uma retrospectiva a sua obra. Nessa retrospectiva, Marina compartilhava um minuto de silêncio com cada estranho que sentasse a sua frente. Ulay chegou sem que ela soubesse e foi assim."


*
... comecei a chorar ainda ela não tinha aberto os olhos ... sabemos que na vida são inúmeras as histórias de encontros e desencontros emocionantes... mas muito raramente são presenciados esses momentos como aqui temos a oportunidade de partilhar... chego a sentir um certo incomodo pelos olhos fixos na reacção daquela mulher e daquele homem, há uma intimidade e uma carga emocional que deviam ser preservadas... e o facto de não serem é o que faz deste momento algo emocionante... sentimentos que os deixaram mais despidos um perante o outro do que alguma vez o tiveram do ponto de vista físico, a excentricidade das suas almas artísticas actuou sobre eles e não a partir deles para os outros...
se há quem gostasse de a ver sair dali a correr atrás dele, por mim está bom assim... o resto que seja da vontade de ambos :)


segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013




ainda não estou farta do Inverno. tudo tem o seu tempo. e este é o tempo de estar enrolada na manta, de enrolar o cachecol à volta do pescoço, de escolher qual o par de luvas que vou levar, de beber um leite quentinho, de contornar as poças de água ou meter o pé na poça, de embaciar o espelho da casa de banho e antes de limpar fazer desenhos ou escrever, de andar "carregada" com o chapéu de chuva ou dele me esquecer, de dizer que chovia-a-cântaros ou estava uma chuva-molha-parvos, de ouvir o limpa vidros do carro a funcionar ou as beiras a cair, de encantar-me com rasgos de sol que me aquecem o corpo e a alma...


sábado, 23 de fevereiro de 2013



sábado de manhã...


1. do chá de camomila com limão não reza a história, que se foi enquanto cortava a laranja, de tão bem que me estava a saber...

2. ... e nessa floresta mágica , haviam morangueiros silvestres... (cont.)


quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013




é questionável a importância deste post mas a ideia é recordar algo que me está a fazer rir, sendo que, passa pouco mais de 2 horas desde que caí... vulgo, espalho...  por "sorte" caí/espalhei-me aos pés de um rapaz (apesar de já ser noite, tive publico), que logo me ajudou a levantar perguntando se eu estava bem. eu, obviamente que respondi: SIM! e agradeci mas reparei que ele estava com ar de riso... deve ser doidinho!! ;) se eu estava com duvidas de como nos iriamos cruzar naquele pequeno espaço, fiquei rapidamente esclarecida... um de cada vez... e lá porque vou a correr, não quer dizer que não tenha de parar para dar passagem ao caminhante... one lesson at a time :)

e esta musica, (a qual, me faz viajar no tempo)


sábado, 16 de fevereiro de 2013



sábado de manhã...
1.


2.
1. em tempos de desgaste físico, reforçar energéticamente

2. tutorar a bouganvillea

3. e esta musica (deolinda)


quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013




saiu da gaveta onde me sempre esteve guardada (do enxoval da minha mãe) e estreou-se na minha cozinha, agora em modo de anos 70 :)


quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013



vou só ali apanhar umas laranjas e já venho...




o que eu gosto de levar a mobília a passear ao campo antes de a devolver ao apartamento rural, talvez inconscientemente seja para isso mesmo, para levar mais a memória destes momentos (e folhinhas e terra agarradas). o banco/escadote já está pintado a fazer pandã com os bancos e com as cadeiras  vai servir para eu chegar às prateleiras que estão lá longe e de floreira.


terça-feira, 12 de fevereiro de 2013






a minha avó: lembras-te disto?
eu: com mil carnavais, se me lembro!!
tinha guardado a camisa e os aventais. eu tinha o lenço e algures ainda exitem as botas, o batom vermelho (para os lábios e rosáceas)  e o lápis preto (para os sinais) e uma sombra azul (para os olhos) coisa-mai-linda
para a prosperidade pousei com o Charlie Chaplin e com um Cozinheiro de chapéu tipico (da época), os dois muito senhores do seu bigode. mas o que me deixou verdadeiramente emocionada foram aqueles papelinhos esquecidos no fundo do bolso do avental...


sábado, 9 de fevereiro de 2013



sábado de manhã...

1. ando com os sonos trocados: tudo porque há preocupações que gostam de estar acordadas durante a noite/madrugada,  e adormecem quando eu quero levantar-me...
2. chá de cidreira


quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013




em tempos de contenção, procuro manter uma distância de segurança das livrarias... contudo acabo por cair em tentação via internet...
há duas semanas tirei da caixa do correio um, esta semana outro. conforta-me o facto de o fazer com livrarias independentes, das quais gosto bastante mas por razoes geográficas estão longe (ainda bem para a minha carteira, lamentável para mim!!)
da Centésima Página veio "O fim pode esperar" de Diana Athill
da Pó dos Livros veio "Os médicos do impossível" de Christian Bernadac


domingo, 3 de fevereiro de 2013







...

Olho para o céu
Mas toda a gente foi de férias
Apetece-me gritar
Até rebentar as artérias



(respiro fundo)
E lembro-me da força
(guardo dentro do meu corpo)
Espero que ela ouça

Todo o amor deste mundo
Perdido num segundo
Todo o riso transformado
Num olhar apagado
Toda a fúria de viver
Afastada do meu ser
Até que um dia acordei
E vi que estava a perder
Toda a força que cresceu
Na vida que deus me deu
A vontade de gritar bem alto:
O meu amor morreu
Todo o mundo há-de ouvir
Todo o mundo há-de sentir
Tenho a força de mil homens
Para o que há de vir

...
há excertos de musicas que não nos saem da cabeça. 

hoje faria 60 anos. mãe, as minhas saudades permanecem incansáveis


sábado, 2 de fevereiro de 2013



sábado de manhã...
1.

2.


1. não saí sem antes levar mais este gosto amargo e doce, como por vezes se revelam os próprios dias... cá está o lemon curd, só deu um frasquinho... mas haverá mais....

2. ...cantam as nossas almas para a menina Maria uma salva de palmas.... (fez hoje 81 anos, a minha avó)