terça-feira, 21 de janeiro de 2020




deste tempo
este meu lado já não é que era, e quando assim é, quero que seja melhor.


segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

domingo, 5 de janeiro de 2020




Este é o tecto do quarto que tem o quarto que nunca tive. Hoje dormi aqui, depois de passar duas noites e dois dias  no hospital. Do braço já retirei as pulseiras que trouxe e me identificavam e enviei mensagem ao médico a agradecer o que fez por mim. O que ele começou por fazer por mim,  e entretanto a toda uma equipa que se mobilizou em torno na minha operação. Foram muitos, alguns nem os vi, outros mal me lembro, mas todos contribuíram para me salvar a vida. Quando por momentos não sinto dores nem o incómodos que por um tempo me vão acompanhar penso na brutalidade de tudo isto. Como um pessoa é resgatada pela ciência. Já temi tudo, agora vivo um momento de cada vez até à normalidade, para a qual estou a gerir energias para reconquistar.


segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

domingo, 29 de dezembro de 2019



Meanwhile... 



Dedico-me a pequenos passos ao desenho. Tentar reencontrar nele a paz e abstração de outros tempos. Um espécie de cura dos sentimentos. Num final de ano como que imune a potencialidade de mudanças porque a preocupação, a incógnita transita de um ano para o outro. Eu sempre soube que tudo podia falhar menos a saúde. Este impasse, este estado, faz-me sentir mais perdida, na soma de tudo do que se passou este ano.
Depois de pouco mais de 2 anos a viver semanalmente fora da minha casa de conforto, com o coração a enraizar no constante improviso, resultou de mim alguém que me custa a reconhecer. Os últimos 7 meses de foram de adaptação ao novo desafio profissional, de regressos sucessivos a mim. Um vai e vem a dar voltas para aquela que saiu um dia. A que saiu nunca será a que voltou. Não a posso encontrar e os últimos 15 dias somaram à busca espiritual a derradeira noção do eu físico, da matéria de que sou feita. Uma queda parece ter exteriorizado que para além da mente também o corpo se pode dividir e parte mim passou a ter uma percepção diferente do calor e frio, tornando-se menos sensível. Este foi o rastilho para me colocar neste patamar de mil e um cuidados com os meus movimentos. A desejar profundamente a rotina, mesmo que por vezes enfadonha, mas na que acreditava ser livre para... Em poucos dias olhar para os outros, mesmo sem ser olhos nos olhos e não reconhecer as pessoas na plenitude das suas vidas, como conseguem ser distantes do essencial. Como eu também consigo ser assim. Como ainda não sei ser melhor....


sexta-feira, 27 de dezembro de 2019




Sinto falta do entusiasmo com que vinha aqui partilhar algo de mim e sobretudo para mim, para memória futura. Memórias, mais ou menos explícitas, que me sabia bem gravar neste relevo. Registar que em algum momento passei, diambulei ou divaguei por ali. Dores que fazem parte do caminho ou meras trivialidades que em algum ponto me fazem sentido.

...antes tantos dias, cheios de razões para celebrar mas com uma falta de motivação que não soube ultrapassar, hoje... hoje quero redescobrir-me nesses motivos e sair desta preocupação que me está a ocupar os pensamentos. Não quero concretizar, não quero especular mas conto os dias em horas ou pedaços indefinidos entre a ocupação que me é permitida enquanto espero para renascer  desta fase e tudo voltar à maravilhosa normalidade.

No-entretanto-agradecer-a-todos-os-que-facilitam-ajudam-e-aturam-a-minha-fragilidade-camuflada-de-aparente-mau-feito, ao meu Pai, que tem de gerir as suas inseguranças e fragilidades de pai, ao Gonçalo, por fazer acontecer em jeito de just another day in the office e aos amigos e outros pelas palavras aqui é ali de reforço mas sobretudo por aparecerem. 


sábado, 2 de novembro de 2019

esta foto também sou eu, não pela mão que segura o pássaro mas nas asas que lhe vejo. podia falar do que essas asas são capazes mas ainda não cheguei a esse capitulo...




Sábado de manhã...




feriado de noite...


fui ao pão por Deus à Avó Maria :)


sexta-feira, 1 de novembro de 2019



feriado de tarde...

Quando ao autor explica o que lhe vai dentro quando lê uma das suas autoras eleitas e eu fico confusa porque às tantas  parece que ele descreve aquilo que eu própria sinto quando o leio... peças do puzzle de que sou feita.




feriado de manhã...



sábado, 26 de outubro de 2019



Sábado de manhã...



Dar à mente o que o corpo precisa, cor....
Mimos de sábado a pensar em todos os dias da semana. O foco naquele dia, o de hoje, que o amanhã nem depressa nem devagar mas com vagar. 


domingo, 20 de outubro de 2019




A tentar eternizar mais um pouco o bronze até ao próximo verão, dentro e fora. O espelho de água convidava a um mergulho desses que aprendi a desfrutar nas águas mais frias, aquele momento que à sua maneira também é capaz de despertar as células mais recônditas.




Sábado de manhã ... 




sábado, 28 de setembro de 2019



Sábado de manhã ... 


Sempre ali a oferecer conforto, mas por agora ainda me sabe bem o sol do calção e da sandália... Mas pode chover de noite...


domingo, 22 de setembro de 2019



Sábado de manhã ...
A magicar ideias.



Sábado de noite....
A concretizar ideias de farnéis para a semana.

quinta-feira, 12 de setembro de 2019



Trabalhos manuais

A estrutura em ferro estava há uns anos no sótão à espera de inspiração e ela chegou numa destas tardes vagarosas de tempo (ou foi o tempo inspirado que a estendeu, mistérios da nossa percepção)
Cortei, colei, cosi...



...tantas quantas as vezes que carregamos nos interruptores são aquelas em que se faz luz e outras tantas que seguimos às escuras....


quinta-feira, 22 de agosto de 2019



De novo a ler Miguel Torga... O que este homem me deixa a sorrir com a inteligência que revela. 



domingo, 4 de agosto de 2019






deixa-te tocar pela natureza...









de visita aos espantalhos de Manhouce, com a felicidade de quem cumpre um desejo já antigo
e uma troca palavras com a D. Isabel Silvestre sem registo fotográfico.




late or light by night






domingo, 14 de julho de 2019



Dei-me conta que publiquei este texto 12 anos e 1 mês antes destes momentos voltarem a fazer parte de um tempo de lazer diário.


terça-feira, 9 de julho de 2019




"O outro partiu, e ele ficou a relembrar a doçura do conselho, a encostar todas as chagas à suavidade daquela ternura" in Novos Contos da Montanha de Miguel Torga

Depois dos Contos da Montanha, enquanto viajo de comboio nesta nova rotina. Colocar a leitura em dia com um autor que me tira dali para a rudeza das personagens em aldeias remotas, cheias da natureza que as cerca, belas e brutas, despidas perante esta que sou ávida daquelas almas em que às vezes descanso a complexidade dos meus próprios sentimentos


segunda-feira, 17 de junho de 2019




Há um ano começava assim o dia. A partir de Braga de seta amarela em seta amarela a concretizar esse desejo de me pôr a caminho. A confiança nas pernas foi atraiçoada pelas dores e bolhas nos pés. Doíam-me até a alma. Sete dias sempre em dor, tudo latejava mesmo quando parava. Os tempos de descanso não foram inspiradores dessa introspecção romanticamente, antes uma meditação focada em encontrar a posição mais confortável para recuperar para o dia seguinte. Ficar quieta a observar os outros, aprender desta observação, por partilha em alguns momentos convívio e outras partilhar com o olhar ou o sorriso o respeito pelo caminho e bolhas de cada um. 
Vivo numa cidade que faz parte de um caminho e hoje, quase um mês depois de ter outra rotina pela manhã, sendo pouco mais de sete horas da manhã encontrei três peregrinos de Santiago. Deu-me aquele aperto, e com os minutos contados para apanhar o comboio desejei-lhes no silêncio das lagrimas "Bom Caminho". Com ou sem pedras, com ou sem bolhas, por etapas chegar a cada destino e conquistar no destino maior este espaço no peito que pertence a cada um e que nos conecta para sempre a todos. Revermo-nos na importância de Ser(mos).


sábado, 15 de junho de 2019



Sábado de manhã...


Neste regresso a casa a tempo inteiro, regressar a como se sabiam verdadeiramente estes momentos.

Pequeno almoço sentada na sala de estar, sem pensar que depois de amanhã já não é assim. 
Em 1996 faziam bom calçado. As mal amadas all star sem cano, hoje são como o vestidinho preto.


quinta-feira, 13 de junho de 2019






Num repente decidi sair de casa, só depois de estar pronta é que me lembrei de ver as horas, afinal tinha acordado às 7h30 e desde então não tinha voltado a olhar para o relógio. Suspirei de um alívio momentâneo pois alguns dos locais onde pretendia ir já estariam abertos. O sol espreitava pelas janelas e não coloquei em causa a roupa que escolhi para sair. Uns metros depois, deslocando-me a pé rumo ao primeiro destino dei por mim a constatar que se calhar tinha saído “à fresca” e no instante seguinte resolvi apreciar a brisa que fazia rodopiar a blusa, qual Marilyn Monroe na mítica foto sobre as grades do metro e foi neste espírito que segui pela cidade a riscar tarefas da minha lista. Porque foi feriado em Lisboa pude passar o dia em casa a desfrutar do movimento da minha pequena cidade. Cumprimentei conhecidos, que me acenaram de forma energética e feliz. Entre tarefas sentei-me num café com cheiro a pão fresco a beber um galão e a comer um bolo como se não tivesse já tomado o pequeno-almoço. Saborear sobretudo aquele momento e reviver da vidraça o passeio onde anos a fio passei rumando a uma escola e outra. Antes de me devolver a casa, resolvi de senhorita entrar numa loja só para distrair a vista e eis que a funcionária resolveu perguntar pela minha mãe. Há muito que não a via mas não se sentia à vontade para perguntar. Não só respondi, como me expus, e nos expusemos das experiencias equivalentes. A funcionária sabia o meu nome porque a minha mãe dizia com frequência “tenho de trazer cá a minha Ana”. Agora sou eu que respiro melhor neste regresso a casa, talvez por isso mesmo porque a levo sempre mais presente na memória do quanto andávamos juntas e gostávamos de circular nesta cidade, como a brisa leve e fresca que hoje me acompanhou.